25 de abril de 2011

Super tédio


Cara, que tédio! Daqueles com um T bem grande pra você, manja!?
Tô aqui arrumando mil desculpas pra não acabar com esse tédio! O tempo tá nublado! Se eu saio, encontrarei todos os lugares cheios de gente. Aqui já sabe né, isso é mandatório, e não importa se é Domingo, feriado ou preto na folhinha, todos os bares, cafés, parques são lotados.
Também tô procurando coisa pra fazer em casa e...ontem a noite acabei a arrumação do meu guarda-roupa, a casa tá limpa, a louça lavada...eu vou comprar estantes novas pro meu office, mas eu vou esperar o Pê voltar da China, porque senão pioro a minha Fibromialgia arrastando coisas pela casa. Já escolhi o que eu quero!
Eu sei que se eu procurar eu acho coisa pra fazer, mas pra ser bem honesta...tô afim não! Acho que vou nutrir o tédio até amanhã as 5:30, quando tenho aula de Pilates!

Cara que porre!!!

Frangipani


Atendendo ao pedido da minha amiga Rejane, apresento minha flor favorita, a linda e singela Frangipani.
A primeira vez que eu vi essa flor, foi aqui em Taiwan, em Jungli, no jardim da Delta onde o Pe trabalha! Eu me encantei pela simplicidade do "design", pelo perfume maravilhoso que essa florzinha exala.



De acordo com o Wikipedia, a Frangipani é originária das Américas, mas eu nunca tinha visto no Brasil até uns 2 anos atrás. Pensa se eu iria ver um trenzin lindo desse e passar batido?! Nunca!


Em alguns países da Ásia essa flor é associada a templos, outros a cemitérios mas sempre tem uma ligação espiritual.


Existem 7 diferentes espécies, diferenciando a cor, o matiz e em uma das espécies, a pétala é mais fina e pontuda. Eu prefiro o "design original", essa amarela da primeira foto. Uma pétala sobrepondo a outra sem tirar o brilho e o charme das outras pétalas que compõem essa perfeição!


Toda vez que eu encontro essas lindezas pela frente, eu pego algumas e trago pra casa e ofereço ao meu altarzinho sincrético! Realmente elas tem um "q" de sagrado!


Mas o  que eu acho legal é que as flores se desprendem dos cachos depois de alguns dias enfeitando a árvore frondosa que as sustentam, como se elas estivessem ousando uma vida independente. Elas lançam vôo, sabendo que é necessário a mudança, que é necessário o ousar, mesmo sabendo ou não, que irão ser pisoteadas por alguns desatentos, ou admiradas por alguns atentos.

 
E olhar pra essa flor e um sorriso imediatamente aparece na minha cara, eu cheiro essa coisinha linda e eu transcendo, viajando pelas esquinas da minha alma. Yep, essa flor tem um poder imenso sobre mim e eu sou imensamente agradecida por poder apreciá-la.

Obrigada menina bonita! Eu ganho meu dia quando eu te encontro por aí...

24 de abril de 2011

Feliz Páscoa


Desejando a todos uma 

Páscoa feliz 

e

abençoada!

Sábado vencido!

Mais um sábado aponta na folhinha. O dia estava nublado com cara de poucos amigos, mas sabe aquela história do limão, quando a vida te oferece limão, faça limonada? Então, limonada não saiu, mas saiu daiquiri! Muito melhor!

A tarde desse sábado começou com uma puxada aula de Pilates que comecei a fazer há 2 semanas. Começou assim: Há uns 5 meses eu vi que abriu aqui perto de casa um centro de Pilates. Peguei o telefone no luminoso verde, cruzei os dedos an esperança de alguém que falasse ingles atendesse o telefone.
Liguei várias vezes, e nada de alguém atender. Fui pra Nigéria, fui pro Brasil, alguns meses se passaram e eu na tentativa de começar a ser esticada. E como eu sou esticada naquele lugar, Deus do céu!

Há algumas semanas, vindo do Carrefour, eu vi que tinha luz acessa e liguei na hora. Advinha? Ninguém atendeu. Aí perdi as esperanças. Mas não é que logo logo a dona do espaço retornou minha ligação e melhor, ela fala inglês. Já morou e estudou nos USA da vida. Bingo! Marquei horário e fui apresentada a essa atividade física criada por Joseph Pilate no início do século 20 e que tem milhões de adeptos no mundo todo.

A instrutora é um doce de criatura. Eu tenho aulas 2 vezes por semana, as terças a noite e aos sábados a tarde. As terças é aula particular. Somente Pei, a instrutora, e eu naquela sala cheia de equipamentos que mais parecem sala de tortura e não algo que irá contribuir para o aumento da força, flexibilidade e controle do corpo.


Aos sábados é aula coletiva, 5 pessoas na sala e a turma é excelente. A aula se tornou bilingue porque Pei precisa me explicar em Inglês e em Chinês para os outros 4 alunos! Eu me divirto. Enquanto o alongamento rola pesado e puxado, com concentração na respiração como precisa ser, a gente dá muitas risadas do sofrimento alheio.



A turma tem um cuidado todo especial comigo, principalmente depois que ficaram sabendo que eu tenho Fibromialgia. É muito bom a gente se sentir cuidada né!

A aula hoje foi super puxada e eu não tava muito forte...

Tô assistindo Parenthood, e escrevendo ao mesmo tempo...e chorando...saudade da galera de casa...

Ai ai...

Quando eu estava me preparando pra voltar pra casa, a Pei me pediu pra eu dar uma diminuída no meu ritmo. Eu estava colocando o tênis e numa rapidez como se eu tivesse panela no fogo...Aí eu disse a ela que eu não sabia o porque de toda aquela pressa já que eu não tinha ninguém esperando por mim em casa e nem agenda pra cumprir. Mas o lance é que a pressa não é e não foi só naquele momento. É mais ansiedade que pressa na verdade...

Pra tentar baixar a bola, eu cheguei em casa, tomei um bom e longo banho, me arrumei e fui pro shopping jantar. Saí de casa um pouco tarde, quase 5 e não achei mesa vazia no restaurante que eu queria almoçar/jantar. O Taiwanês como adora comer, as 5 da tarde já tem fila em porta de restaurante para o jantar...e eu não tinha nem almoçado ainda!

Como o Grazie Café tava lotado, com fila de espera pra mais de 1 hora eu fui ao TGIF outra vez e me deliciei com um daiquiri de morango, melhorar que limonada sempre!, lendo uma revista muito interessante chamada Respect!

Daiquiri de Morango

Shopping é um bom lugar para se divertir sozinha. Tem cinema, livraria, restaurante, lojinhas, cafés, etc. É uma boa companhia na verdade. Depois do daiquiri e do jantar, fui tomar meu cafezinho no Starbucks, lendo minha revistinha. O moço do café perguntou pelo Pê que está na China outra vez, pode?! É muito engraçado como o Taiwanês é curioso. Eu vejo o cara somente por alguns minutos na sexta-feira e ele já vez várias perguntas e bem pessoais. Eu acho o máximo, sério! No começo essa sinceridade que aparece em forma de questionamento muito pessoal, me assustava mas agora de boa! Até eu tô entrando nessa...com moderação...creio eu!

Na volta pra casa, escutando Akon and Wyclef and Lil Wayne cantando Dollar Million, meu coração apertou. Eu adoro essa música e ela toca fundo em mim. É de uma solidão perene! A gente consegue enganar a solidão todo dia, mas não pra sempre. E todo dia, essa solidão insiste em assumir as rédeas, mas é necessário saber até que ponto ela pode participar da nossa vida, da minha vida.

E assim, hoje mais uma vez eu enganei esse monstro mas amanhã é outro dia e toda a batalha começa novamente. Pilates, voltinha no shopping, chat com a galera do Brasil ajuda horrores e amanhã tem massagem então estarei salva.

Mas o que é mais legal e transformar um dia vazio num dia fascinante e isso eu sou expert!

23 de abril de 2011

Dylan na Ásia

Domingo dia 10 de abril, Pe e eu fomos ao show de Bob Dylan. Só de pensar eu arrepio! Wow, Bob Dylan! O cara está nas paradas há mais de 50 anos. Tem que respeitar!
Fiquei sabendo do show somente no Sábado! Eu não sei se a galera que trabalha com divulgação de shows e atividades culturais de Taiwan é devagar ou se não ficar sabendo de um show do Bob Dylan em Taiwan é parte da barreira comunicativa que eu enfrento por não falar a língua. Eu leio jornais locais, em inglês lógico, e nem uma linha dedicada a esse acontecimento único.

Bão, o que importa é que eu fiquei sabendo e no Domingo de manhã vazamos pra tentar achar ingresso. Tivemos que ir à Taipei devido a desinformação do quiosque da Nova, shopping de eletrônicos onde eu comprei ingresso pra assistir Tears For Fears. A menina chegou a ligar num telefone que eu mesma passei pra ela,  valei-me meu santo Google, e disse que os ingressos seriam vendidos somente à partir das 5:30 da tarde. Como a gente já sabe que informação correta não é o forte do Taiwanes, chegando em Taipei fomos direto para Taipei Arena, onde foi o show. Lá ficamos sabendo que é possível comprar ingressos no 7/11, rede de conveniência estadosunidenses que fica aberta 24 horas por dia durante os 365 dias do ano e que pra comprar lá mesmo na boca do caixa só mesmo as 5:30 da tarde. Ok, informação semi-errada. Meio-crédito pro 0800.

O que é legal é que tem 7/11 em quase toda esquina e a menos de 100 metros tinha um, dentro mesmo da Arena. Se tem uma coisa que Taiwanes tem vapor, é perder tempo. Fomos lá comprar o danado. Só em uma máquina, tipo ATM de banco. Detalhe, só em chinês! Uma das funcionárias falava um pouco de inglês e foi uma mão na roda.

Ingresso na mão, coração pulando por causa da ansiedade de ir a um show do grande Bob Dylan, fomos para o Costco, um supermercado como o Macro. Lá é um dos raros locais onde a gente tem certeza que está comprando produtos com sabor original sem absolutamente nada adulterado.

Taipei está a 22Km de casa, então ainda eram 5 da tarde e Pe e eu decidimos voltar, rangar, tomar banho e voltar à Taipei pra assistir ao show. 

Na estrada, meu coração sofria pra conter a ansiedade.

O show foi maravilhoso mas com um pequeno detalhe que fez e faz esse mesmo coração que sofria, ficar apertado toda vez que eu penso no que aconteceu... o danadinho do Bob Dylan é famoso pelo péssimo humor, e por não estar nem aí para o público. "Hello" foi a única coisa que ele falou pra galera que lotou o ginásio e olha que saiu tremido. Well, mas saiu. Não não é isso que faz meu coração ficar apertado. Foi até pitoresco!


O show foi todo, TODO, somente de músicas recentes. Isso quer dizer que ele não cantou os grandes sucessos que fez o mundo tremer por décadas. Well, cantar ele até tentou...

Coração a mil...



Dylan e seu visual Zorro


O show durou quase 2 horas, e foi perfeito! A iluminação foi o único recurso de palco e não precisou de mais nada! Ele cantou, naquele estilo todo próprio dele que mais parece declamar que cantar e que arrasa. Aquele voz rouca, ainda mais rouca pelo tempo faz arrepiar mesmo, não tem jeito.

A gente estava sentado relativamente perto do palco e teve uma hora que eu invadi mesmo. Fui lá pro gargarejo pra terror dos seguranças. Hehehehe Saudade dos shows do UTC...

Então, Bob Dylan cantou e encantou mas deixou muita gente na saudade... A útima música foi percebida que era a última quando ele acabou de cantar e saiu do palco sem falar nem um simplório "Bye". Como eu já disse a única palavra proferida foi "Hello". Quando a multidão de fãs sacou que o show tinha acabado, a galera foi a loucura porque apesar do show ter sido lindo, ficou um buraco....e "Blowing in the Wind" e "Like a Rolling Stone"??? Como que ele tem a coragem de esperar a vida toda pra fazer show em Taiwan e China e não canta esses clássicos que é na verdade a razão pelo qual todo mundo foi a Arena naquela noite?? Como assim?? Mas nós insistimos e ele voltou. Emburrado mais voltou!

E cantou esses dois grandes sucessos...melhor, ele declamou esses dois grande sucessos. Se eu não soubesse a letra, com certeza eu não teria percebido que o bis foi pra satisfazer a fome de passado dos milhares de estrangeiros e Taiwaneses que ali estavam. Ele fez um arranjo tão inusitado que realmente não dava pra identificar que música Dylan cantava. Mas o lance é que o cara quando é bom e quando é ícone pode fazer a pirraça que quiser que a gente aceita de boa.
As músicas, verdadeiros hinos de protestos dos Direitos Civis nos Estados Unidos, fizeram desse cara, nascido no estado de Minnesota, um ídolo mundial e assim sempre será.

Eu, e todo mundo que estava ali naquela hora, gritei bonito quando Dylan blowed the answer in the wind like a rolling stone!  O olho cheio d'água, a garganta trancada pela emoção vivida naquele instante mágico!


video
 Like a Rolling Stone...

O show foi encerrado, as luzes foram acesas e a gente voltou pra casa com um olhar diferente porque the answer my friend, is like a rolling stone!

21 de abril de 2011

8:00 - ??


Ontem parada no sinaleiro e olhando pros lados, me deparei com essa mensagem maravilhosa estampada na porta de um pub aqui em Taoyuan, onde moro. Tem coisa melhor do que ir pra um bar, com uma galera legal e não ficar preocupada com o horário que o buteco fecha?

Ops, acho que esse pensamento ainda é resquício dos dias de total controle e cerceamento Suíços! Saí de mim trem!! Calma, passou passou...

Uma tarde no Sogo

Hoje eu fui até ao Sogo, uma grande loja de departamentos de 11 andares daqui de Taiwan, pra comprar arroz jasmim que eu adoro de paixão, arrumar uma sandália e almoçar em um lugar charmosinho.

Faz algumas semanas eu fui a esse mesma loja e vi que estava em construção um restaurante novo de comida ocidental, o "Aunt Stella's". Hoje o danadinho estava aberto e lá fui eu "testar" o local. Digo testar porque aqui em termos de comida, nem tudo que parece é. Sempre, ou quase sempre, tem um sabor adulterado porque Taiwanes tem vapor de sabor original. É sério! Então quando se vê um restaurante de comida ocidental, é necessário primeiro testar com cuidado pra ver se o sabor de um risotto por exemplo não terá nenhum sangue de porco ou tofu fedido adicionado. Tô brincando não, verdade!


O lugar é bem legal, e as garçonetes como sempre super delicadas. Peguei o cardápio e já fiquei feliz porque além de foto, o cardápio era bilingue. Super bom, quando não se sabe ler nem escrever!
As fotos estavam apetitosas, coisa rara aqui. Aí fiquei com o risotto de cogumelos e peito de frango, e um suco todo incrementado que tinha até colágeno. Uma delícia!

O risotto não tinha nenhum sabor extra, mas também não podia chegar aos pés do risotto que o Pe faz aqui em casa. Gente o risotto que o homem faz é bom demais da conta! Daqueles da gente comer de joelhos.

Aqui, normalmente, quase todo restaurante tem o que eles chamam de "set", que inclui uma salada ou sopa, prato principal e uma bebida que pode ser suco, café ou chá e que é servida só no final da refeição. As vezes, depois de muito insistir, eles servem o suco junto com a comida, mas é coisa rara. Vinho é quase impossível de se achar!  Quando se pede o "set" sempre fica mais barato que pedir os pratos separadamente, e é muito engraçado ver o garçom te convencendo a pegar o "set" pra não ficar muito caro.

Então, almocei, tomei o suco turbinado e fui pagar a conta. Assim que eu paguei a menina do caixa pegou uma sacolinha e colocou um prato de cerâmica lindo dentro e me deu, dizendo que era presente da casa pra mim.

Presentinho que ganhei no restaurante


Só em Taiwan mesmo! Eu adorei! Olha só que gracinha de prato!! Aí depois a menina me deu uns cookies de chocolate chips que tinham acabado de sair do forno. Bom demais! Eu adoro esse mimos e eu os recebo muito frequentemente. Já ganhei canecas, galheteiro, ursinho de pelúcia, bolsa e por aí vai.

Saí do lugar com um senhor sorriso na cara. A hospitalidade aqui é algo ímpar e faz toda a diferença. Com certeza irei voltar ao Aunt Stella's e experimentar os sandubas e quem sabe ganhar mais presentinho!

1 de abril de 2011

Sol dando o ar da graça

Por-do-sol que apareceu na minha janela hoje
 
Finalmente depois de 5 meses de céu nublado e chuva, a ilha de Formosa recebeu um solzinho tímido que veio acompanhado de um vento gelado mas que proporcinou um lindo por-do-sol no final da tarde. Meu coração bateu mais forte e não é só uma expressão de contentamento não, sério!

Eu sou tropical, não tem jeito. Eu gosto de sol queimando a pele, coisa que asiático abomina. Eu gosto de abrir janela e deixar a luz invadir o espaço, eu gosto de ver a roupa no varal deixando o sol expressar seu poder, eu gosto de vestido de alcinha, eu gosto de cabelo ao vento, eu gosto de sentar em uma parque e ficar lendo. Eu gosto da leveza dos dias de sol, eu gosto da alegria que o sol proporciona. Não tem jeito mesmo, eu sou tropical! E ser tropical morando em uma ilha onde o sol é raridade....não é fácil de jeito nenhum!

Mas de agora em diante, esses dias congelantes de céu cinza estão prestes a acabar e esse por-do-sol de hoje é a prova que eu precisava pra olhar para os aquecedores que secam as minhas roupas agora, enfeitando a sala de jantar, e dizer que logo logo eles estarão descansado por uns bons meses! Ai que bom!

Semana que vem é feriado aqui. Tipo um finados. Petin, que nesse exato momento está na China, na divisa com a Rússia, terá alguns dias de folga, mas como ele viajou demais esse mês, nós ficaremos por aqui mesmo fazendo turismo interno. Visitaremos Lugang, a cidade mais antiga de Taiwan e a região de Hualien, onde a minha querida linda monja Cheng Yen mora e outras coisitas mas.

Se o tempo firmar, nossa acho que nunca falei "se o tempo firmar" antes. Eita banzo!! Então, se o tempo firmar vai dar até pra dar uma esticadinha na praia. Oba, dedos cruzados!

E como diria Jota Quest, Pra onde tenha Sol é pra lá que eu vou!!!