18 de abril de 2012

Ainda Somos os Mesmos!

Que dia espetacular!
Existe alguma coisa mais linda que encontrar ou reencontrar amigos queridos?? Hoje esses reencontros aconteceram, não somente uma mas duas vezes. Dois queridos amigos que nunca saíram do meu coração mas que os olhos não viam há anos....

Que delícia!

Tô me sentindo assim como se fosse manhã de Natal de uma infância gostosa, de tão feliz que eu estou!

Encontrei essas duas pessoas e uma galera boa demais da conta, na época de UFU. A gente era tão durango, mais tão durango que tinha dias que a grana era curta pra comer no RU-Restaurante Universitário, e nós ainda tínhamos bolsa refeição. Ai que delícia, filar leite pra beber a noite em casa...

Essas pessoas queridas que fazem parte da minha história, pegaram seu caminhos e iria ser complicado cruzar esses caminhos novamente se não fosse sites como FaceBook. Sério, não estou fazendo apologia a nada, mas é super legal estar num buteco e ver os amigos chegarem, um a um, ou um trazendo o outro e é assim que eu me sinto quando entro no timeline de um amigo e vejo outro, e outro e outro. É bom demais!!

Pra avivar a memória, como se precisasse, eu mandei duas fotos pra um dos amigos, pra que ele visse como estamos agora e como ele nos conheceu. O legal, é que mesmo depois dessa andança toda, mesmo depois de todos os caminhos que nos levaram, nós ainda somos os mesmos com um corte de cabelo melhor. 


Uruzito lindo, moi e Petin: Uberlândia, 1992

Phuket, 2012



3 comentários:

cláudia frança disse...

puxa, foi a epoca em que nos conhecemos, não? quanto tempo se passou, tanta coisa aconteceu, envelhecemos, viajamos, fomos e voltamos, rimos e choramos, nos afastamos e voltamos. ilusão de uma linha reta para pensar a vida, mas a vida pode ser pensada como um novelo todo amarrado, emaranhado, embaralhado, amarrotado. ter um amigo que sobreviveu ao tempo eh como ter alguem que te ajude a desnovelar o novelo, a passar a roupa amarrotada, a desembaraçar os fios. para reembaraça-los de novo e assim, ter a desculpa de estar por perto, mesmo tão longe.

Caminhos Que Me Levam disse...

Claudinha linda,

E o nosso novelo ainda tem muito a ser desnovelado.

Te amo muito e sou MUITO feliz por ter você nessa jornada!

tia Madalena disse...

1986,1987,1988...bota tempo nisto...
E foi assim mesmo, como vc disse que eu te encontrei um dia (depois de tanto tempo) no orkut...caçando as pessoas pela UFU, e vc vê, que este orkut ficou uma tristeza de tanto recadinho piscando...mas foi lá que te achei, mesmo tão longe eu te senti tão perto! Que bom né? uma esperança nos descaminhos...